Pacientes morrem dentro de ambulâncias por falta de vagas em hospital de Campo Maior

Com leitos ocupados, Hospital Regional de Campo Maior não consegue mais atender pacientes.

Caos no sistema de saúde de Campo Maior — Foto: reprodução

 Caos no sistema de saúde de Campo Maior — Foto: reprodução

Dois pacientes morreram dentro de ambulâncias, na noite dessa terça-feira (23), por falta de vagas no Hospital Regional de Campo Maior, cidade a 75 km de Teresina. De acordo com o prefeito Joãozinho Félix (MDB), o hospital não consegue mais receber pacientes por estar 100% ocupado. As pessoas morreram dentro dos veículos na porta da unidade de saúde.

Segundo o gestor, o hospital não tem leitos de UTI, não conseguindo atender pacientes em situação grave. Além disso, a unidade de saúde atende a cidade e moradores de outros 22 municípios da região. Somente em Campo Maior, são 50 mil pessoas.

"As pessoas estão morrendo e não temos como atender. O Samu é acionado e ele não tem como fazer o atendimento, porque não se pode tirar uma pessoa que está sendo atendida na ambulância, para dar lugar a outra. Tem pessoas que são atendidas nas ambulâncias, do lado de fora do hospital", lamentou o prefeito.

Ele disse que, normalmente, Teresina e Piripiri recebem os pacientes de Campo Maior, quando há necessidade, mas a alta de casos de Covid-19 tem afetado o sistema de saúde de todo o estado do Piauí, com lotação dos leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em todas as unidades de saúde.

Necessidade de leitos de UTI

O prefeito disse que está "desesperado" e pediu ajuda do Governo do Piauí, responsável pela gestão do hospital. Segundo ele, a cidade precisa de leitos de UTI, mas a unidade tem apenas leitos clínicos.

“Eu estou desesperado, porque eu não sei mais o que fazer, eu preciso da ajuda do governo. O município está sem qualquer estrutura para atender esses casos. Temos uma maternidade que poderia atender, mas não tivemos resposta do governo sobre um convênio para isso dar certo”, afirmou.

Campo Maior já registrou 86 óbitos pela doença e tem mais de 4.042 casos confirmados. “Aqui os casos só aumentam, mesmo com as medidas restritivas que foram tomadas. Temos um Centro de Covid, que atua em três turnos, e a testagem lá, cerca de 70% dá positiva, então é muito preocupante”, disse o prefeito.

Medidas restritivas

O gestor disse, contudo, que não é a favor do fechamento do comércio, afirmando que a economia está sofrendo os efeitos da pandemia e os empresários se sentem prejudicados. Contudo, pesquisas indicam que o isolamento social tem efeitos importantes no controle da doença.

Diante da situação, o Governo do Piauí decidiu prorrogar por uma semana em todo o estado as medidas restritivas impostas com objetivo para conter o avanço da contaminação do coronavírus, após ser registrado um aumento de casos de Covid-19 e ocupação de leitos de UTI em mais de 90%. A decisão foi anunciada no último sábado (21), além da decisão de antecipar um feriado para a próxima sexta-feira (26).

  • Mantido o toque de recolher de 21h às 5h, até o dia 28 de março
  • O comércio poderá funcionar até às 17h; Shoppings centers poderão funcionar de 12h às 20h;
  • Suspensas as atividades que envolvam aglomeração, como atividades esportivas e sociais
  • bares, restaurantes, depósitos de bebidas e similares só poderão funcionar até às 20h
  • Administração Pública funcionará preferencialmente por teletrabalho, com contingente máximo de 30% de servidores em atividade presencial

No dia 15 de março o governador Wellington Dias (PT) deu início a implementação das medidas restritivas, que deveriam se encerrar o dia 21 de março, mas com a continuidade do aumento dos casos, as medidas foram prorrogadas até às 24h do domingo, dia 28 de março.

Piauí registra recorde de casos

O Piauí registrou 1.651 casos e 19 óbitos por Covid-19 em 24 horas, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), na noite de terça-feira (23). De acordo com o órgão, foi o maior número de casos confirmados em um dia desde o início da pandemia.

Os casos confirmados no estado somam 196.010, distribuídos em todos os municípios piauienses. Já os óbitos pelo novo coronavírus chegam a 3.870 e foram registrados em 217 municípios.

Sesapi nega mortes em ambulâncias

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) negou que as mortes tenham ocorridas em ambulâncias, quando os pacientes esperavam por leitos. Segundo a Sesapi, os pacientes estavam internados. A secretaria também destacou que o hospital regional possui vagas para atendimento de casos de Covid-19.

Confira a nota na íntegra:

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) informa que não foram registrados óbitos de pacientes dentro de ambulância, na última terça-feira (23), a espera de leitos no Hospital Regional de Campo Maior (HRCM).

Os dois óbitos registrados no dia 23 de março, foram de pacientes que já estavam internados na unidade de saúde. Quanto à frequência de ambulâncias na data de ontem, apenas dois veículos deram entrada, ambas para fazer transferência de pacientes para Teresina.

O HRCM dispõe de 14 enfermarias com 50 leitos (clínicos e de estabilização), com canalização de gases e toda a estrutura para atendimento de pacientes com Covid-19, além de dois médicos 24h e equipe multiprofissional. No momento, a unidade de saúde possui 19 vagas.

O Hospital Regional de Campo Maior atende a cidade de Campo Maior e 20 municípios da região. Quanto ao setor da maternidade no HRCM, o mesmo está em pleno funcionamento.

Fonte: G1 Piauí

Mais de SAÚDE